5 Respostas + dicas sobre a importância da amamentação

Saúde e Bem Estar
Publicado em: 30 de março de 2014 - Visto 868 vezes.
Langues / Languages:
  • Português
  • English
  • Français

  • 5 Respostas + dicas sobre a importância da amamentação

    Os bebês não têm horário para mamar?

    Eles costumam mamar muitas vezes, de dia e de noite, principalmente nos primeiros meses.
    Nem todo choro do bebê é fome.
    Ele pode chorar porque está com frio ou calor, sentindo algum desconforto, fraldas sujas ou precisando de aconchego.

    É comum o bebê engolir ar enquanto mama?

    Sim! Por isso, quando ele terminar de mamar, é importante segurá-lo junto ao colo, em posição vertical, para que ele não tenha desconforto.

    O leite materno tem o sabor e o cheiro dos alimentos que a mãe come?

    Sim! Por isto, a criança que mama no peito aceita melhor os alimentos da família.
    É muito importante que o bebê esvazie bem a mama, porque o leite do fim da mamada tem mais gordura e, por isso, mata a fome do bebê e faz com que ele ganhe mais peso.

    O leite da mãe é fraco?

    O leite materno nunca é fraco, ele é sempre adequado para o desenvolvimento do bebê. Nos primeiros dias, a produção de leite é pequena e este leite chamado de colostro tem alto valor nutritivo e é suficiente para atender às necessidades do bebê.

    Ele age como uma verdadeira vacina, protegendo-o contra doenças.

    Quais são os benefícios da amamentação exclusiva?

    A amamentação exclusiva protege o bebê contra alergias causadas por outros leites.
    Mamadeiras e chupetas podem dificultar a amamentação e causar problemas na dentição e na fala da criança.

    Os profissionais das equipes da Estratégia Saúde da Família, dos postos e centros de saúde, dos bancos de leite humano, dos hospitais Amigo da Criança e dos grupos comunitários de apoio à amamentação podem ajudar nas dificuldades com a amamentação.

    Não existe nenhum outro leite capaz de substituir adequadamente o leite materno.
    Se o bebê tomar outros leites preparados em situações precárias poderá ter diarreia.

    Hoje, mais do que nunca, o aleitamento materno é reconhecido no mundo inteiro como o fator mais eficaz de proteção para os bebês.

    Conheça os principais motivos:

    O bebê que mama no peito não precisa de nenhum outro alimento, líquido ou complemento, pois o leite materno oferece tudo que o bebê precisa, mata a sede, a fome e possui todos os nutrientes que o bebê necessita para crescer e se desenvolver forte e saudável.

    É o único alimento capaz de oferecer tudo que o bebê necessita nos primeiros seis meses de vida, O leite materno continua sendo um alimento seguro e excelente até os dois anos ou mais.

    A amamentação é um excelente exercício para o desenvolvimento da face da criança, importante para que ela tenha dentes fortes e bonitos, desenvolva a fala e tenha uma boa respiração.

    Na amamentação, o bebê recebe os anticorpos da mãe para proteção contra diarréia, infecções respiratórias e outras infecções.

    Amamentar é bom não só para a saúde do bebê, mas também para a saúde da mãe. O sangramento pós-parto diminui, assim como as chances de desenvolver anemia, câncer de mama, de ovário e diabetes.

    A mulher que amamenta perde mais rápido o peso que ganhou durante a gravidez.

    A amamentação favorece a relação afetiva entre mãe e bebê, e também ajuda o bebê a defender-se de infecções e desenvolver-se bem, tanto física quanto emocionalmente.

    Amamentar é muito mais do que alimentar a criança e, em situações de emergência, torna-se ainda mais importante, pois o bebê fica vulnerável a infecções intestinais e respiratórias.

    Dar o peito é muito mais que oferecer o melhor alimento que existe. É dar saúde, carinho e proteção, tão importantes em momentos difíceis como nas situações de emergência.

    Todos podem colaborar para dar mais proteção à criança em situações de emergência.

    Faça a sua parte:

    Evite a distribuição, de modo indiscriminado, de leites artificiais e mamadeiras para os filhos de mulheres que estão amamentando, pois, se utilizados, podem provocar desmame, doenças como diarreia, infecções respiratórias e maior risco de morte.

    Outros leites que não sejam o materno precisam de um ambiente limpo e água fervida para o preparo, nem sempre disponíveis em situações de emergência.

    Reconheça o valor da amamentação:

    Apoie a mulher que amamenta.
    Acredite que a mulher é capaz de amamentar, incentivando e apoiando o aleitamento materno.

    Exerça o controle social, que é a participação da sociedade no acompanhamento da execução das políticas públicas de promoção, proteção e apoio à amamentação.

    * Lembrem-se que o leite materno é o alimento ideal e que, mesmo em situações de estresse físico e emocional, as mães podem produzir leite de qualidade e em quantidade suficiente para o seu filho.

    Enfatizem que o uso indiscriminado de outros leites em situações de emergência pode oferecer risco de doenças e morte para a criança, principalmente quando preparados em condições precárias e com água não-potável.

    Escute e aprenda, trocando informações.

    Ajude a mulher a acreditar na capacidade de amamentar o filho com sucesso, mesmo em situações de estresse.

    Meios de Comunicação:
    Valorizem a importância do aleitamento materno.
    Incentivem a continuidade da amamentação.
    Reconheçam que a distribuição de leites infantis sem controle pode causar doenças e mortes.
    Transmitam experiências positivas de aleitamento materno.

    Governo:
    Faça cumprir a Legislação que regulamenta a publicidade de alimentos e produtos que concorrem com a amamentação, como a Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactantes e Crianças de Primeira Infância, Bicos, Chupetas e Mamadeiras (NBCAL) e a Lei N° 11.265.

    Profissionais de Saúde:
    Acolham as mães, respeitando sua individualidade e transmitindo- lhes confiança.
    Forneçam informações que facilitem a amamentação.
    Ajudem na continuidade do aleitamento materno e na solução de problemas relacionados à amamentação.
    Incentivem e apóiem a relactação.
    Criem grupos de apoio ao aleitamento materno.
    Desenvolva políticas públicas em aleitamento materno e garanta o cumprimento das leis de proteção à amamentação.
    Desenvolva estratégias que garantam a promoção, a proteção e o apoio à amamentação em situações de emergência.

    Fonte: Folder Amamentação em todos os momentos. Mais Saúde, carinho e proteção. Julho/2009 – Mais informações www.saude.gov.br e www.sbp.com.br – Disque Saúde: 0800 61 1997

    Veja mais dicas sobre Saúde e Bem-estar

    Sending
    Nota de visitantes:
    0 (0 voto)
    Nota com comentários: 0 (0 votos)

    Sobre o autor:

    Esse post foi publicado em 30 de março de 2014 por Alexandre Santos.
    Blogueiro desde 2009 - Programador - Amante da tecnologia e internet.
    Tags: , ,
    #COMPARTILHE:
    .

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Sending